Sebrae promove I Seminário de Negócios de Impacto Social

Evento visa difundir conhecimento sobre empreendedorismo social em Alagoas

Agência Sebrae de Notícias
04/09/2017

Desenvolvido para disseminar conteúdos correlacionados ao empreendedorismo social e fortalecer o ecossistema universitário a partir de um olhar prático e um aprendizado inovador, o Sebrae em Alagoas promoveu em sua sede, na noite dessa quinta-feira (31), o I Seminário de Negócios de Impacto Social. O evento, que reuniu alunos de diversas Instituições de Ensino Superior (IES), faz parte de um ciclo de outros dois seminários que serão realizados nos próximos meses, apresentando palestras e casos de sucesso locais e nacionais.

A primeira palestra foi apresentada por Kathia Rebelo, coordenadora da Incubadora Empresarial Tecnológica (IET) do Centro Universitário Cesmac, que abordou os conceitos de negócio de impacto social, aqueles que desenvolvem soluções criativas e rentáveis que minimizam problemas que afetam o bem-estar das pessoas na sociedade em diferentes áreas. A coordenadora ainda destacou o papel dos negócios sociais para cumprir os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até o ano de 2030, agenda criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) com líderes mundiais.

Kathia listou, ainda, alguns casos de sucesso das áreas de Turismo e Saúde, além de outros da própria IET. Uma das empresas incubada é a ‘Teaching Hand’, comandada por Danilo Vitor da Silva, estudante de Publicidade da Unit, e outros dois amigos. Surdos, os jovens conhecem bem a realidade de quem convive com a surdez e quer aprender português como segunda língua, já que a primeira é Língua Brasileira de Sinais (Libras). Por isso, desenvolveram o aplicativo Teaching Hand, em 2014, plataforma educacional voltada para o ensino da língua portuguesa a crianças surdas do ensino fundamental.

Com o apoio de uma intérprete de Libras, Danilo Vitor ressaltou a relevância do evento para a Teaching Hand. “Esse seminário é muito importante para que a gente possa fortalecer ainda mais nosso aplicativo como empresa e obter mais aprendizado. Nós temos a ideia de crescer bem mais no futuro, e o Sebrae, oportunizando esse conhecimento, nos incentiva ainda mais a incluir crianças e jovens surdos”, declarou.

De acordo com Fátima Aguiar, gerente da Unidade de Atendimento Empresarial (UAE) do Sebrae em Alagoas, a instituição começou a observar a temática por meio de outro projeto. “Durante o andamento do Projeto Desenvolvimento Econômico Territorial (DET) Regiões Urbanas de Baixa Renda, em Maceió, começamos a conviver com esse tema e buscamos conhecer negócios sociais em outras partes do país, como alguns em favelas do Rio de Janeiro. Ficamos entusiasmados com o que eles fazem e queremos fomentar negócios de impacto social aqui, para gerar mais emprego e renda e inclusão social”, afirmou.

Casos de sucesso

Na oportunidade, os universitários conheceram casos de sucesso do empreendedorismo social. Um deles foi apresentado por Gustavo Fuga, fundador da 4You2 (four you two), escola de inglês criada há cinco anos com o foco em ensinar o idioma para crianças e adultos das classes C, D e E. Com preços mais acessíveis e professores estrangeiros, formados em grandes universidades e que buscam novas experiências, morando nas próprias comunidades onde as escolas são instaladas, o ambiente vira praticamente um espaço de intercâmbio.

A escola já tem nove unidades em São Paulo e abrirá mais uma na Paraíba e outra em Minas Gerais. A 4You2 já teve mais de oito mil alunos e mais de 300 professores de 40 países diferentes. A ideia já ganhou vários prêmios, sendo apresentada ao Banco Mundial, em Washington, nos Estados Unidos. A empresa conta com um plano de expansão para abertura de mais de 20 unidades pelo país até 2019.

Gustavo, que idealizou a empresa durante o curso de Economia da Universidade de São Paulo (USP), contou como nasceu a escola e seus objetivos.

“Durante a faculdade, descobri que menos de 5% dos brasileiros falam inglês. Na minha turma, eu era um dos poucos que não sabia falar inglês. A maioria que fala faz parte de uma parcela muito rica da população. O nosso objetivo é resolver esse problema, tornar o ensino do inglês mais democrático e levar esse conhecimento para trabalhadores, estudantes e para quem não tem condições de pagar os cursos caros oferecidos pelo mercado. Quando a pessoa sabe inglês, as oportunidades de emprego, estudo e qualidade de vida aumentam”, frisou.

Outro case, nascido em Maceió, mas que pode ser considerado internacional, foi apresentado por Carlos Wanderlan, diretor de tecnologia da Hand Talk, reconhecida por desenvolver um aplicativo que realiza a tradução digital e automática para Libras, feito para a comunidade surda no Brasil.

A empresa alagoana ganhou diversos prêmios de relevância mundial, como o WSA-Mobile, na categoria Inclusão Social, promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU), em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, e também foi considerada a startup mais inovadora da América Latina pela Qualcomm Ventures. Até hoje, a empresa já tornou acessível mais de cinco mil sites e impactou mais de seis milhões de pessoas. Carlos Wanderlan enfatizou o principal desafio da Hand Talk.

“Nosso grande desafio é quebrar as barreiras entre o surdo e o ouvinte, que vai além de um simples bate-papo. Essa barreira impede o acesso ao conhecimento, cultura, emprego. A gente quer ajudar a resolver esse problema, e outras pessoas daqui também podem resolver outros. Quando começamos, eu não sabia o que era negócio de impacto social e, mesmo assim, as coisas deram certo. Hoje, com muita informação, com a difusão desse tema, as pessoas passaram a entender mais a necessidade de criarmos outros projetos com esse foco”, finalizou.

Próximos seminários

Os próximos seminários serão realizados nos dias 14 de setembro e 05 de outubro, às 18h, na sede do Sebrae em Alagoas. No evento do dia 14, o público poderá acompanhar a palestra sobre Negócios de Impacto Social com o Professor Marcus Nakagawa, da ESPM Social Business Centre, e conhecer os cases do ‘Doador Online’ e da ‘Pet Mania’, com seu idealizador, Glauber Miranda. Já no dia 05 de outubro, o público contará com a palestra de Deise Hapjek, do Instituto Ashoka, e os cases ‘Carteiro Amigo’, com o empresário Sila Vieria, e o case local da Ilha Soft.

Além dos seminários, o Sebrae vai promover uma Maratona de Negócios de Impacto Social, que irá avaliar ideias inovadoras durante a Feira do Empreendedor 2017, entre os dias 18 e 21 de outubro, no Centro de Convenções, em Maceió.

Para ler a notícia completa, clique aqui.

Comentários

0 Seja o primeiro a comentar Adicionar novo comentário